História da Bíblia Sagrada e a polêmica dos livros perdidos

A história da Bíblia Sagrada é mesmo muito grande e cheia de polêmicas, não é verdade?!

Este estudo vai te trazer informações básicas sobre a história da Bíblia Sagrada.

Obs.: Este estudo será atualizado com certa frequência, se quiser ser notificado de novas atualizações envie-me um e-mail clicando aqui.

história da bíblia sagrada

Na Bíblia conhecemos a história de toda criação humana, de como o homem caiu em pecado contra seu Criador e também como Deus relaciona-se com o ser humano desde então.

A Bíblia é o livro mais vendido e mais lido de todos os tempos, e também é fonte de inspiração para milhares de outros livros no mundo.

A Bíblia possui mais de seis bilhões de cópias em todo o mundo, uma quantidade sete vezes maior que o número de cópias do 2º colocado da lista dos livros mais vendidos, O Livro Vermelho, segundo o Wikipedia.

Os apóstolos Pedro e Paulo afirmam que as Escrituras Sagradas são fruto de inspiração do Espírito Santo, e que elas nunca foram produzidas da vontade de homem algum.

Porque a profecia não veio no tempo antigo por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram à medida que eram movidos pelo Espírito Santo. (2 Pedro 1:21 KJF)

“Toda Escritura é dada pela inspiração de Deus, e é proveitosa para doutrina, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça” (2 Timóteo 3:16 KJF)

Quando a Bíblia foi escrita?

De acordo com a tradição aceita pela maioria dos cristãos, a Bíblia foi escrita por cerca de 40 autores, entre 1 500 a.C. e 450 a.C. (livros do Antigo Testamento), e entre 45 d.C. e 90 d.C. (livros do Novo Testamento), totalizando um período de quase 1600 anos.

Sim, isso mesmo! A Bíblia completa que você tem hoje em mãos levou um período de 1600 anos para ser escrita por completo.

Isto quer dizer que tem muita história da Bíblia pra explorar ainda, não é verdade?!

A Bíblia não era dividida em capítulos até 1227, quando o cardeal Sthepen Langton os criou, e não apresentava versículos até ser assim dividida em 1551 por Robert Stephanus.

A Bíblia na versão portuguesa de João Ferreira de Almeida possui 66 livros, 1189 capítulos, 31173 versículos, 773692 palavras e 3.566.480 letras. em tudo isso, há menos de 0,5% de falhas.

Deus vela por sua Palavra! (Jeremias 1:12).

Informações sobre o Antigo Testamento

A quantidade de livros do Antigo Testamento ainda é uma questão polêmica nos dias de hoje, pois ela varia de religião para religião ou de denominações de igrejas diferentes.

Não só a Bíblia dos cristãos protestantes, mas também o Tanakh judaico possuem apenas 39 livros.

Mas a Bíblia da Igreja Católica possui 46 e a da Igreja Ortodoxa geralmente possui 51.

Os sete livros adicionais no Antigo Testamento existentes na Bíblia católica, são conhecidos como deuterocanônicos para os católicos e apócrifos (não inspirados por Deus) para os protestantes.

O mesmo se aplica aos livros da bíblia ortodoxa, que pode vir a ter mais livros.

Abaixo você confere os 7 livros adicionais da Bíblia católica, que foram aceitos como autênticos primeiramente no ano de 382 d.C., no concílio de Roma.

  1. Tobias
  2. Judite
  3. Sabedoria
  4. Eclesiástico
  5. Baruc
  6. 1º Macabeus
  7. 2º Macabeus

Muitos estudiosos afirmam que estes livros foram escritos no período interbíblico, ou seja, durante os 400 anos de “silêncio profético” que supostamente aconteceram antes da vinda de Cristo em carne aqui na Terra.

Segundo o historiador judeu Flávio Josefo, a Revelação Divina havia cessado nessa época, pois a sucessão dos profetas era inexistente ou imprecisa, por isso é chamada de “silêncio profético”.

Nota: existem outros livros que não foram incluídos na Bíblia dos protestantes; existe uma série de outros livros perdidos da Bíblia que você confere mais a frente neste estudo.

Informações sobre o Novo Testamento

Foram mais de 5000 manuscritos utilizados para fazer traduções do Novo Testamento.

Manuscrito bíblico é o termo utilizado para referir-se a qualquer cópia feita à mão à partir de um outro manuscrito original da bíblia, como as cartas dos apóstolos, por exemplo.

Você pode ver uma situação real disso no filme de Policarpo, um discípulo do apóstolo João que viveu por volta do ano 100 d.C.

Os apóstolos escreveram suas cartas para as igrejas e estas, por sua vez, as reescreveram para outras igrejas ou pessoas (Colossenses 4:16)

A palavra Bíblia vem do grego biblion (livro). Já a palavra manuscrito vem do latim manu (mão) e scriptum (escrito).

O estudo de manuscritos bíblicos é de grande importância para se compreender a história da Bíblia por completo, e de suas traduções.

Todo cristão deveria ao menos ter informações básicas sobre os manuscritos originais da Bíblia, pois como poderíamos estudar e acreditar num livro que nem sabemos de onde veio e nem tão pouco o que ele passou ao longo da história?

A primeira pessoa a traduzir a Bíblia Sagrada para o português foi João Ferreira de Almeida, um ministro pregador da Igreja Reformada, nas Indias Orientais Holandesas.

A tradução do Novo Testamento de João Ferreira de Almeida foi publicada pela primeira vez em 1681, em Amsterdam.

Ele faleceu antes de concluir a tradução dos livros do Antigo Testamento, chegou até os versículos finais do livro de Ezequiel.

Lista dos livros “perdidos” da Bíblia Sagrada

Livros no Antigo Testamento

  1. Livro das Guerras (Números 21:14);
  2. Livro de Jasar (Josué 10:13; 2 Samuel 1:18);
  3. Livro dos Estatutos (1 Samuel 10:25; ver também Deuteronômio 17:14; 1 Samuel 8:10-17);
  4. Livro dos Atos de Salomão (1 Reis 11:41);
  5. Livro de Natã (1 Crônicas 29:29; 2 Crônicas 9:29);
  6. Livro de Gade (1 Crônicas 29:29);
  7. Profecias de Aías (2 Crônicas 9:29);
  8. Visões de Ido (2 Crônicas 9:29; 13:22);
  9. Livro de Semaías (2 Crônicas 12:15);
  10. Livro de Jeú (2 Crônicas 20:34);
  11. Atos de Uzias, Escrito por Isaías (2 Crônicas 26:22);
  12. Livros dos Videntes (2 Crônicas 33:19);
  13. Profecias de Enoque (Judas 14).

Escritos perdidos do Novo Testamento (ou seja, somente mencionados, mas infelizmente totalmente perdidos)

  1. Uma carta anterior de Paulo aos coríntios (1 Coríntios 5:9);
  2. Primeira carta de Paulo aos efésios perdida (Efésios 3:3);
  3. Carta de Paulo a Laodicéia (Colossenses 4:16).

Os livros da Bíblia em Apócrifos (Escritos do Velho Testamento)

Nota: Estes livros foram tirados de fontes da internet, portanto, a existência dos mesmos é questionável, visto também que não há referências bíblicas para os tais. Se quiser pode enviar seus conhecimentos sobre estes livros nos comentários deste estudo no final dessa página.

  • Tobit
  • Judite
  • Adição do livro de Ester
  • Sabedoria de Salomão
  • Eclesiásticos, ou a Sabedoria de Jesus
  • Baruque
  • A carta de Jeremias
  • Oração de Azarias
  • Canção dos três Judeus *(Estes são os livros perdidos de Daniel.)
  • Susana
  • Sino e o Dragão
  • 1 Macabeus
  • 2 Macabeus
  • 3 Macabeus
  • 4 Macabeus
  • 1 Esdras
  • 2 Esdras
  • Oração de Manassés
  • Salmo 151

Escritos do Novo Testamento que foram eliminados, mas mencionados

Livro de Maria

(Os seguintes textos perdidos são mencionados em História Eclesiástica, de 337 d.C., pelo bispo Eusébio de Cesaréia, o qual os suprimiu por considerá-los “heresias”).

  • Atos de Paulo
  • Atos de André
  • Atos de João
  • O Protevangelho
  • Infância I
  • Infância II
  • Cristo e Abgarus
  • Nicodemos
  • O Credo dos Apóstolos
  • Laodicenses
  • Paulo e Sêneca
  • Paulo e Theca
  • Revelação de Pedro
  • Epístola de Barnabas
  • O Evangelho Perdido de Acordo com Pedro
  • Evangelho de Thomas
  • Evangelho de Matias
  • Clemente I
  • Clemente II
  • Efésios (II)
  • Magnésios
  • Tralians
  • Romanos (II)
  • Filadelfians
  • Smaraneas
  • Policarp
  • Filipenses (II)

(Algumas destas podem ser referência nos escritos por Marcion, 150 d.C., e Muratoria, 170 d.C.)

Sheppard de Hermas
Hermas I (Visões)
Hermas II (Mandamentos)
Hermas III

Cartas de Herodes e Pilatos (Ref. Para o julgamento de Cristo)

Os seguintes são uma lista de Escritos Apócrifos que não mais existem; no entanto, eles são mencionados e referidos em outros, mais recentes, no século 4 d.C.

  • O Evangelho de André
  • Outros livros abaixo de André
  • Evangelho de Afiles
  • O Evangelho de Acordo com os Doze Apóstolos
  • O Evangelho de Barnabé
  • Os Escritos de Bartolomeu, o Apóstolo
  • O Evangelho de Bartolomeu
  • O Evangelho de Basilides
  • O Evangelho de Cernithus
  • A Revelação de Cernithus
  • Uma Epístola de Jesus Cristo para Pedro e Paulo
  • Vários outros livros abaixo do nome de Cristo
  • Uma Epístola de Cristo (produzido por Manichees)
  • Um Hino, ensinado por Cristo para seus Discípulos
  • O Evangelho de Acordo com os Egípcios

Aprenda a desenvolver o hábito de estudar a Bíblia. Desfrute de uma verdadeira transformação em sua vida!

Gabriel Filgueiras

Meu objetivo é ajudar novos cristãos a amadurecerem no entendimento da Bíblia Sagrada, e os obreiros de Deus a capacitarem-se melhor para o ministério cristão. Sou casado com a Lidiane Filgueiras e somos membros da 3ª Igreja Batista de Rio das Ostras, RJ, pr. Jorge Cônsoli Lima e Débora. Sirvo ao Reino do Senhor Jesus como professor da Escola Bíblica Dominical desde Julho de 2008 e estou me dedicando a ajudar cristãos comprometidos através deste blog compartilhando estudos bíblicos, materiais e cursos cristãos para capacitação do ministério e edificação do corpo de Cristo.

Website: http://wp.me/P7fxRD-dd

2 Comentários

  1. silva victorino

    quero saber porque se ivalidou-se alguns livros da biblia catolica pelos pentecostis. qual prova que certifica que os livros nao foi pela revelaco do espirito santo?

    • Oi Victorino. Estes livros não foram invalidados pelos pentecostais/protestantes atuais, como muitos imaginam; mas antes, foram excluídos dos livros da bíblia por judeus, dentre outras pessoas, antes mesmo de Cristo ter nascido. Você vai ver mais abaixo neste comentário aqui.
      Eu não tenho nenhum estudo completo preparado a respeito deste assunto ainda, mas separei para você um comentário do manual de discernimento bíblico de Harold L. Willmington que tenho em casa falando a respeito disso, e também um documento no site Scribd te dando mais detalhes de algumas heresias contidas nestes livros para que você analise, ok?!

      O documento no Scribd você pode ver aqui -> https://goo.gl/YkNdfp

      Segue o comentário do manual de discernimento bíblico:
      “Depois de os judeus reconhecerem que o cânon do Antigo Testamento estava oficialmente encerrado e antes do período do Novo Testamento, surgiu um corpo de literatura, hoje comumente mencionada como livros apócrifos. O sentido literal de apócrifo é “o que está escondido”. O termo refere-se à quatorze livros que foram incluídos na Septuaginta grega, mas não no antigo Testamento hebraico. A igreja católica romana aceita os livros apócrifos, e eles aparecem na Bíblia católica romana e em várias outras versões dela.
      Todos os livros apócrifos são: 1 Esdras, 2 Esdras, Tobias, Judite, adições a Ester, Sabedoria de Salomão, Eclesiástico, Epístola de Jeremias, Baruque, Cântico dos três mancebos, Suzana, Bel e o dragão, Oração de Manassés, 1 Macabeus e 2 Macabeus.
      Os motivos para rejeitar os livros apócrifos incluem os seguintes:

        Os livros apócrifos nunca foram incluídos no cânon do Antigo Testamento por autoridades reconhecidas, como os fariseus e Esdras.
        Os livros, sem exceção, não são citados por nenhum dos escritores do Novo Testamento.
        O grande historiador judeus Flávio Josefo excluiu-os.
        Os pais da igreja primitiva os excluíram.
        O tradutor bíblico Jerônimo não os aceitou, apesar de ter sido forçado pelo papa a incluí-los na Bíblia Vulgata em latim.
        Os quatorze livros, sem exceção, reivindicam inspiração divina; na verdade, alguns deles renunciam a ela.
        As falsas doutrinas, como por exemplo orar pelos mortos, são ensinadas por alguns deles.
        Os livros apócrifos não são encontrados em nenhum catálogo de livros canônicos compostos durante os primeiros quatro séculos depois de Cristo. Na verdade, foi só em 1546, no Concílio de Trento, que a Igreja Católica romana reconheceu oficialmente esses livros, basicamente em uma tentativa de fortalecer determinadas doutrinas que tinham sido solapadas pelos reformadores.


      Espero com isto ter lhe ajudado, havendo mais dúvidas estou à disposição para responder.

Deixe seu comentário